Menopausa faz mulheres ficarem mais esquecidas, diz estudo

Os problemas cognitivos que afetam muitas mulheres durante seus 40 e 50 anos de idade parecem ser mais agudos no período imediato depois da menopausa, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (03/01) pela revista “Menopause”.

menopausa

“Durante a transição da menopausa, as mulheres se queixaram por muito tempo de dificuldades cognitivas, por exemplo, para lembrar informações ou para realizar tarefas que eram de rotina”, disse Miriam Weber, neuropsicológa do Centro Médico da Universidade de Rochester e autora principal do estudo.

“Esta pesquisa indica que esses problemas não só existem, mas tornam-se mais evidentes nas mulheres no primeiro ano após seu último período menstrual”, acrescentou.

O estudo observou 117 mulheres agrupadas em quatro categorias: etapa reprodutiva final (quando a mulher começa a notar mudanças em seu período menstrual), transição adiantada à menopausa, transição final à menopausa e etapa pós-menopausa adiantada.

As participantes realizaram diversos testes para avaliação de suas destrezas cognitivas, os sintomas relacionados com a menopausa como os “desgostos”, transtornos de sono, depressão e ansiedade, e uma prova de sangue para determinar seus níveus de estradiol, um indicador dos níveis de estrogênio.

Os pesquisadores observaram que as mulheres na etapa pós-menopausa tinham um desempenho pior nas mediações de aprendizagem verbal, memória verbal e destreza motriz que as mulheres nos outros três períodos.

Sono e depressão

O estudo encontrou, além disso, que os sintomas comunicados pelas mesmas mulheres como as dificuldades para dormir, a depressão e a ansiedade não estão vinculados necessariamente com problemas de memória.

“Estas conclusões indicam que a deterioração cognitiva durante o período de transição é um processo independente mais do que uma consequência da perda de sono ou a depressão”, acrescentou Weber.

“Apesar dos níveuis absolutos de homônio poderem ser vinculados com a função cognitiva, é possível que as oscilações que ocorrem durante esse período desempenhem um pepal nos problemas de memória de muitas mulheres”, disse a pesquisadora.

“O mais importante é que dever assegurar para as mulheres que estes problemas são normais e muito provavelmente passageiros”, comentou Weber.

Fonte: Uol

Sobre Dr. Alexandre B. Chehin

Médico Psiquiatra e Diretor Clínico do Hospital João Evangelista. Pós–graduando do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina (UNIFESP–EPM). Especialização em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP. Residência em Psiquiatria pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina (UNIFESP–EPM). Graduação em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina (UNIFESP–EPM)
Esse post foi publicado em Notícias, Pesquisas Científicas, Qualidade de Vida e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s