O que provoca a esquizofrenia?

Image
Esquizofrenia é um problema sério, que atinge 1% da população mundial (2 milhões de pessoas apenas no Brasil). Durante as crises, os doentes costumam perder o contato com a realidade: têm alucinações, escutam vozes, deliram. Já no dia a dia, podem apresentar déficit de memória, ansiedade acima do normal e depressão. Embora permaneça sem cura, já se sabe muita coisa sobre a doença. Mas sua origem continua sendo mistério. Estudos indicam que ela tem um componente genético e neurodesenvolvimental – ou seja: ainda no útero, o feto começa a sofrer uma alteração em seu sistema nervoso. Esse quadro vai progredindo na infância e na adolescência, até aparecerem os sintomas. A maioria dos especialistas acredita que os surtos acontecem justamente por causa desse desenvolvimento cerebral anormal. Ele geraria um desequilíbrio na produção de substâncias que regulam a troca de informações entre os neurônios, como a dopamina e o glutamato. “Acreditamos que ocorra um excesso dessas substâncias em certas regiões do cérebro, e uma diminuição em outras”, diz o psiquiatra Jaime Hallak, professor da Faculdade de Medicina da USP. Mas o que provoca esse desequilíbrio? Ninguém arrisca cravar uma resposta. Parte do mistério pode ser elucidada com uma explicação genética. Quando o pai é esquizofrênico, o risco de seu filho também ser chega a 10%. Já quando pai e mãe sofrem da doença, essa probabilidade salta para 25%. O problema é que a matemática dos genes ainda não resolve a equação por completo. “Mesmo conhecendo o padrão genético, não sabemos quais genes atuam na esquizofrenia”, afirma o psiquiatra. Pesquisas recentes sugerem que fatores ambientais também estão ligados ao desenvolvimento da doença. Mudanças drásticas na vida de uma pessoa podem resultar num estado de estresse incomum, levando-a a um penoso processo de reorganização. Nessa fase de adaptação, a esquizofrenia tenderia a se manifestar entre os que apresentam propensão genética. Segundo os defensores dessa tese, perder uma pessoa amada ou ir morar no exterior elevaria o risco de 1% para 3%. E quem fumou muita maconha na adolescência estaria 10 vezes mais sujeito a virar esquizofrênico na fase adulta – desde que também apresente predisposição.

 

Fonte: http://super.abril.com.br

Sobre Juliana Sartore

Educadora Física no Hospital João Evangelista e Hospital Dia. Pós-graduada em Atividade Física Adaptada e Saúde (UNIFMU) e Psicomotricidade (UCAMPROMINAS).
Esse post foi publicado em Notícias e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s